Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro, 2012

Memória dos dias - assim vamos com a crise

Neste dia, em que passa - não se celebra - mais um aniversário do 31 de Janeiro de 1891, a primeira tentativa para implantar a República - neste tempo de crise da memória, em que até ao feriado do 5 de Outubro querem pôr fim - no Telejornal da RTP1, uma senhora indignada protestava contra o 3º aumento dos transportes em menos de um ano:

- Estão a matar-nos aos poucos - clamava. - Mais valia o Bin Laden matar-nos de uma vez.

Não há tempo para a memória.

A austeridade já chegou à Madeira

Imagem
Na Madeira, a austeridade já começou. Segundo o Expresso de hoje, uma escola deixou de fornecer almoços porque não tem dinheiro para pagar o gás e já fecharam alguns centros de saúde à noite para poupar na despesa. Enquanto alunos e doentes pagam a crise, os subsídios para os partidos não sofreram qualquer redução (5 milhões por ano) e o dinheiro que é de todos continua a entrar no pasquim do Jardim, o Jornal da Madeira (4 milhões por ano). Também ali, a crise é só para alguns, os do costume. São mais e já estão habituados.

Guerra Junqueiro, "Pátria", 1896

Imagem
Trago hoje palavras de um grande português escritas há 115 anos, mas tão doutas que, com a excepção da referência ao «Limoeiro», que já não é prisão, podiam tê-lo sido hoje. Ou então há coisas que nunca mudam.
‎"Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional, reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta. [.] Uma burguesia, cívica e politicamente corrupta até à medula, não descriminando já o bem do mal, sem palavras, sem vergonha, sem carácter, havendo homens que, honrados na vida íntima, descam…

Quem tem medo de Virginia Woolf

Imagem
Um texto intemporal que, inevitavelmente, me remete para Richard Burton e Elizabeth Taylor e para um filme dos anos 60, mas a culpa é minha. Voltou a Portugal esta magnífica peça de Edward Albee e, desde Novembro até final deste mês de Janeiro, estará no D. Maria II. Fui vê-la ontem e gostei muito. Foi bom voltar à riqueza daquele texto que, diga-se, está muito bem entregue aos quatro actores escolhidos. Elas (Maria João Luís e Sandra Faleiro) melhor que eles (Virgílio Castelo e Romeu Costa). Sandra Faleiro faz de forma sublime a Honey, a jovem esposa - o melhor desempenho. Maria João Luís é a protagonista, está permanentemente, ou quase, em cena e sentem-se alguns desequilíbrios na sua prestação, ainda assim é altamente positivo o seu trabalho. Em abono de todos, convêm repetir que o espectáculo está em cena desde Novembro, pretendendo com isto justificar algum desgaste, perfeitamente compreensível. Tudo se passa na sala de visitas de Martha e George, um casal de meia-idade, que receb…

Congresso Internacional Alves Redol

Imagem
Começa amanhã, 5ª feira, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, o Congresso Internacional Alves Redol. Trata-se de uma iniciativa do Museu do Neo-Realismo em associação com a Faculdade de Letras, que decorrerá até sábado com a participação de grandes estudiosos da obra de Alves Redol. O evento prosseguirá na 6ª e Sábado no Museu do Neo-Realismo, em Vila Franca de Xira. Para mal dos meus pecados, só no Sábado poderei marcar presença, mas não faltarei.

Já tenho «O Bairro» comigo

Imagem
Foi-me entregue  hoje o primeiro exemplar do meu mais recente livro, O Bairro. Está um belo objecto, se me permitem. Quanto ao conteúdo, prefiro esperar pelos reflexos dos meus leitores. Vamos agendar a apresentação pública e talvez daqui a um mês tenhamos nos habituais postos de venda um policial verdadeiramente português - tem o nosso ADN social. Deixo-vos com o texto que consta na badana.
«Manuel Sousa, agente da PSP, é assassinado num bairro às portas de Lisboa. A Polícia Judiciária está a começar a investigação quando é surpreendida pela notícia da morte de mais dois agentes. Quase ao mesmo tempo, um traficante de droga é deixado sem vida no Serviço de Urgência de um hospital. O que têm em comum estes factos? O bairro. O país fala destes casos, os jornais e as televisões fazem eco das preocupações sociais, a hierarquia policial e a tutela política exigem respostas aos investigadores. O chefe Barata, a pouco tempo de se reformar, encara este caso como o seu derradeiro desafio.  O Ba…

Esta merda tem de acabar - Jacques Fresco

Imagem
Não sei se é da chuva, se do nevoeiro, do frio, da noite mal dormida, mas hoje levantei-me com o espírito muito revolucionário. Ainda estava na cama e ouvi o Fausto cantar a sua (nossa) velhinha «Rosalinda». Enquanto aqueciam as chávenas do café, já estava a largar a bomba no Facebook: «…Pois os que mandam no mundo só vivem querendo ganhar, mesmo matando aquele que, morrendo, vive a trabalhar; tem cuidado...» Alertava, como candeia que vai à frente.
Logo após o café saí de casa, fui espairecer, dar uma volta, pôr-me em contacto com as alturas límpidas e retemperadoras de Alenquer. Regressei refastelado e enfrentei uma cara de bacalhau daquelas que, bem acompanhadas com um bom tinto, nos deixam de bem com a vida. O pior é que depois liguei o computador. De imediato deparei com este filme na página do Facebook da Leonor Sá, filme que despertou em mim a revolta com que acordara, mas que anestesiara. Fiz então a inevitável junção dos odores nocturnos que o Fausto condensou, com a verdade…

Duarte Mendes, Madrugada e Pedro Osório

Imagem
Eu tinha 15 anos e gostava do Festival da Canção porque era, verdadeiramente, um acontecimento mediático. Lembro-me, a propósito desta bela canção vencedora em 1975, que se discutia se o cantor, oficial do exército e elemento do MFA, devia ir à Eurovisão envergando o seu uniforme militar. As coisas que se discutiam... Não foi e bem, mas Duarte Mendes e Pedro Osório, o maestro, não se esqueceram do cravo vermelho.

Desafios à Investigação Criminal - conferência do CES da UC

Imagem
Conferência organizada pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, a decorrer na cidade do Mondego, no Colégio de S. Jerónimo, Sala 1, R/C - 14h30 de 2 de Fevereiro. Entrada livre.

De «O Caso da Rua Direita» a «O Bairro»

Imagem
Enquanto não chega «O Bairro», que já espreita, deixo-vos com o final do meu primeiro livro, de 2005, «O Caso da Rua Direita». «Jorge encetou a viagem a caminho da Amadora. Ao descer a Conde de Redondo, parou no semáforo. Os carris dos eléctricos, que já por ali circularam, destacavam-se na noite pelo reluzir do aço no chão negro. A madrugada estava húmida e fresca, o trânsito era raro. Nas imediações não se via vivalma, à excepção, claro, dos poucos travestis que continuavam activos a tentar agradar aos clientes, que reduziam a velocidade para melhor apreciarem a mercadoria. O relógio do carro marcava as duas da manhã, mas Jorge respirava tranquilidade e sorria. Naquela noite sentia-se vencedor e tudo corria de feição. Não tinha pressa em chegar e por isso encostou à direita, reduziu a velocidade e deixou-se ir calmamente. Gozava o ar fresco da noite, mas também aquela serenidade insubstituível que só a consciência do dever cumprido propicia, seja ele qual for. O solo de saxofone da b…

Concerto de Ano Novo - Coliseu à falta de Viena...

Imagem
Enquanto Viena não chega com o seu anual concerto, e para mim não será em 2013, resta-nos o Coliseu de Lisboa. É esta noite. O programa não foge ao habitual - o agradável habitual -, e lá estarei para testemunhar e sonhar com o sempre adiado glamour de Viena, embalado pelo cheira bem, cheira a Lisboa. Bem bom, queixas-te de quê? Ingrato!

Radetzky March - Concerto de Ano Novo de Viena

Imagem
É verdade que já passaram uns dias sobre o Primeiro de Janeiro e muitos anos sobre a minha rendição à festa renovada que é sempre este Concerto de Ano Novo, em Viena. Posso confessá-lo, é um dos meus sonhos de vida poder um dia estar sentado numa cadeira daquela sala e não no sofá da minha casa a assistir em directo, mas gostaria de o fazer antes da chegada do sonotone, do pacemaker, antes sei lá do quê, mas está difícil. Ainda assim, vamos assistindo...

A propósito da beleza de Lisboa e de Pedro Osório

Imagem

Lisboa é linda!

Quando a beleza abunda, até a Audi faz publicidade à borla.
Lisboa é linda.

http://tv.audi.com/video/1530#/07

Sem ironia, feliz 2012

A partir de hoje este cantinho à beira-mar plantado conta com as seguintes alterações de (qualidade de) vida.
FUNÇÃO PÚBLICA E PENSIONISTAS SEM SUBSÍDIOS EM 2012
Os funcionários públicos voltam a sofrer um corte nos seus rendimentos e os pensionistas tanto do público como do privado também vêem as suas reformas reduzidas. Na Função Pública, o corte médio nos salários mantém-se e todos os trabalhadores com vencimentos entre 600 e 1100 euros ficam, em média, sem um subsídio. Quem ganha mais de 1100 euros mensais não recebe nem o subsídio de Natal, nem o de férias.

MENOS PROFESSORES EM 2012
No Orçamento de Estado para 2012 consagra-se uma poupança de 102 milhões com professores, anunciando uma "supressão de ofertas não essenciais no ensino básico", que já começou a ser concretizada com a proposta de reforma curricular do ensino básico apresentada em Dezembro pelo Ministério da Educação. Uma reforma que suprime algumas disciplinas, tais como EVT que passa a funcionar em duas di…