Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2016

Antigamente é que era bom - Casamento das Professoras

Imagem
Sem comentários

No Limite da Dor na Sala Neruda da Biblioteca de Almada

Imagem
Que bela sala para se fazer uma sessão de apresentação de No Limite da Dor, Sala Neruda. Bonito. Ainda por cima quase cheia de gente interessante e interessada.  Além da minha caríssima amiga Ana Aranha, marcaram presença o nosso igualmente caríssimo editor Marcelo Teixeira, a profa, Edite, que serviu como moderadora, e os antigos presos políticos Mário Araújo e José Pedro Soares, que nos deram conta das suas tristes experiências com a PIDE/DGS. Pudemos contar ainda com a presença de um grupo de senhoras que nos brindaram com a leitura de alguns belos poemas à maneira dos jograis.  As fotos são da amiga Teresa Matos, a quem agradeço.







Dia de greve

Imagem

O 25 de Abril com a comunidade portuguesa de Feyzin, Lyon, França

Imagem
Hoje à tarde foi assim, amanha será na rádio local, uma entrevista sobre o mesmo tema: o 25 de Abril e Vítor Alves


DOMINGO 24 ABRIL 12 - 14 horas EMISSÃO NOVA ONDA - RADIO PLURIEL (www)
comemora - participa nas Comemorações 42° Aniversario de ABRIL : 12 - 13 h convidado : CARLOS ADEMAR autor do livro "VITOR ALVES" - capitão de abril.
13 - 14 h especial RECORDAR O ABRIL de antes e depois de 1974.

Revolução sem autorização superior

Imagem
[Armando Oliveira, Jornal de História]
Agora que se aproxima mais um aniversário do 25 de Abril, aqui vos deixo as razões pelas quais nem tudo correu bem ao longo do processo revolucionário: faltou autorização superior. Não posso confirmar a veracidade do teor do recorte, mas lá que tem graça...

Em modo de Abril

Imagem
Estou em modo de Abril. Amanhã 6ª, dia 22, temos Torres Vedras ao fim da tarde para apresentar a biografia de Vítor Alves, e à noite será em Algés, com a peça baseada em No Limite da Dor. Se não nos podermos encontrar amanhã, apareçam em Lyon-França, no sábado, para falarmos do 25 de Abril e de Vítor Alves. É um saltinho e vale bem a pena – digo eu que sou suspeito. Se ainda assim não for possivel, continuamos em Almada, no dia 28, com a Ana Aranha e o José Pedro Soares, para falarmos do livro No Limite da Dor, apenas como pretexto para abordarmos o aparelho repressivo do Estado Novo e aqueles muitos que ele fez sofrer. Desenvencilhem-se, mas tenham um óptimo Dia da Liberdade, com votos de que todos os restantes o sejam também, óptimos e com liberdade.

Commémoration 25 avril

Imagem
Commémoration 25 avril L’Association Culturelle des Portugais de Feyzin (ACPF) organise une conférence [en langue française] par Carlos Ademar sur la révolution portugaise et le capitaine d’avril Vítor Alves, à qui il vient de consacrer un livre.

Carlos Ademar est écrivain et professeur à l’Institut Supérieur de Police Judiciaire et des Sciences Criminelles à Lisbonne.

Une exposition de photos et de peinture sur le thème de la révolution des Œillets sera également présentée. La soirée prendra fin autour d’un verre de l’amitié.

23/04 : 18:00
Médiathèque
72, route de Vienne
69320 Feyzin
Tél. : 04 78 67 60 88
Infos : acpfeyzin@gmail.com

Antigamente é que era bom

Imagem
Da série «Antigamente é que era bom», aqui deixo um belo exemplo
(multas de 30 escudos a 5 contos.... é obra!)

Escola Secundária Professor Reynaldo dos Santos em Vila Franca de Xira - A Patrícia tem 16 ou 17 anos.

Assunto do dia (12.04.2016):  Escola Secundária Professor Reynaldo dos Santos em Vila Franca de Xira, manhã. Falava-se para uma plateia de cerca de cem alunos sobre o aparelho repressivo do Estado Novo a propósito do livro No Limite da Dor. Estavam na mesa Ana Aranha, José Pedro Soares, um dos presos políticos mais torturados de que há memória e que connosco tem colaborado em muitas destas sessões, António Redol e este vosso amigo. Ao narrar as suas experiências muito amargas com a PIDE quando tinha 21 anos, em 1971, José Pedro Soares comoveu-se e com ele todos nós. Então, uma das alunas da direcção da Associação de Estudantes, Patrícia de seu nome, saiu da plateia a correr sem pedir licença e sem se preocupar em limpar as lágrimas, chegou-se à mesa agarrou-se ao José Pedro Soares, que nunca antes vira, beijou-o, agradeceu-lhe quase sem voz e voltou para o seu lugar enquanto limpava o rosto. A Patrícia tem 16 ou 17 anos. 
Ocorreram muitas outras coisas, algumas até teriam importância no…

Celebrando o 25 de Abril na Fábrica das Palavras em V. F. de Xira

Imagem
É já amanhã, dia 12, pelas 18h30, na Fábrica das Palavras, com a Profa. Maria Inácia Rezola, autora da biografia de Melo Antunes, e este V. amigo com o nosso Vítor Alves na memória. É sobre estes senhores, peças fundamentais do 25 de Abril e dos tempos que se seguiram, que se fará a sessão.

Os “Papéis do Panamá” e os heróis do nosso tempo

Imagem
Os “Papéis do Panamá” e os heróis do nosso tempoO actual Governo só deixará marca na história recente deste país se conseguir, não sendo fácil é-lhe exigível, que sem desequilibrar as contas do Estado, redistribuir a riqueza por forma a reduzir o fosso que separa os ricos dos pobresSe o conseguir terá certamente o apoio da maioria do povo português e bem, porque ganhou a aposta certa que fez. E isto, não apenas pelas situações gritantes de desigualdade existentes, mas também pela expectativa que conseguiu criar numa vasta maioria dos eleitores portugueses, que rejubilaram quando se aperceberam que não haviam sido condenados a viver mais quatro anos sob o jugo de uma ditadura demo-ultra-liberal. Foi gritante a arrogância do quero, posso e mando, que parece ter-se erguido das catacumbas da história para imperialmente se impor nos nossos dias, com as consequências de todos conhecidas. Foi flagrante a forma desigual como os portugueses foram tratados, parece que em jeito de vingança pelo …

Melo Antunes e Vítor Alves na Fábrica das Palavras em VFX

Imagem
O 25 de Abril também se pode festejar a 12, se for na Fábrica das Palavras, em Vila Franca de Xira. Lá estarei com a Profa. Inácia Rezola, uma das maiores especialistas neste período histórico. Falaremos, naturalmente dos nossos biografados e do 25 de Abril. Apareçam. Se não for pelo encontro que seja pelo edifício, que é lindo. Se não chegar, lembro que ainda há sável e açorda com alho e coentros e ovas e... um vinho branco fresco.