domingo, 27 de maio de 2012

Valerá a pena continuar a ser um cidadão cumpridor?

Não posso perder tempo. Nunca. Hoje excecionalmente. Uma tarefa árdua, ingrata, que me põe os nervos em estilhaços, mas obrigatória, inadiável e de cidadania, espera-me: preencher os impressos do IRS/2011. Vamos ver se sobrevivo. E quem me obriga, quem impõe os prazos, e quem não cumpre?... Todos os anos é este calvário, essencialmente porque subsistem dúvidas quanto à pergunta fundamental: valerá a pena continuar a ser um cidadão cumpridor?

ALGUMAS HORAS DEPOIS...

Finalmente! Comecei com 18 erros às 5 e às 10 cheguei a 0 erros. Um feito. Estas são as boas notícias. Feitas as contas e as inevitáveis comparações, chegam as más. Recebi menos 3000 euros que em 2010 e descontei apenas menos 500, e tudo graças às brincadeiras destes senhores que nos desgovernam - já que o trabalho duro sempre me tocou. Para o ano, sem os subsídios, como será?... Depois pasmam, esses mesmos senhores e os seus patrões da Troika, com as nunca vistas taxas de desemprego.