Apresentação de No Limite da Dor na Fortaleza de Peniche

Após a apresentação de No Limite da Dor, na Fortaleza de Peniche, foi descerrada uma lápide comemorativa dos 40 anos, que naquele dia 27 de Abril se cumpriam, sobre a libertação dos presos políticos. A foto, de Maria Clara do Céu, capta o momento em que, com razoável afinação, foi entoada a Grândola. Reconhecem-se, da esquerda para a direita, Justino Pinto de Andrade (que viajou expressamente de Angola), Edmundo Pedro, José Pedro Soares (que 40 anos antes, saía por aquele portão como homem livre), Georgina Azevedo, Aurora Rodrigues, Luís Moita (que 40 anos antes fora libertado de Caxias), e Conceição Matos. Uma particularidade: juntaram-se dois velhos amigos, um que inaugurou o Campo do Tarrafal em 1936, Edmundo Pedro, e Justino Pinto de Andrade que o encerrou, no dia 1 de Maio de 1974. Foi, de longe, a mais emotiva apresentação de um livro em que participei. 

Mensagens populares deste blogue

Na Vertigem da Traição IV