quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

TIMOR - TROVANTE



Eu estive lá. Foi em 1999, no Pavilhão Atlântico, que já se chamou Utopia e agora se chama outra coisa qualquer. Mas isso não interessa nada. Interessa, mas pouco, que eu acompanhei com muito interesse toda a carreira dos Trovante e este foi o primeiro espectáculo que deram após o fim oficial do grupo, no final dos anos 80. Foi um concerto que aconteceu muito por vontade do então presidente da República, Dr. Jorge Sampaio. Interessa também que o pavilhão estava cheio como eu nunca o vi, e estive lá muitas vezes. Interessa que nesse ano de 1999, Timor estava na corda bamba, com o referendo sobre a independência marcado, e a ferro e fogo por acção dos grupos pró Indonésia, que tudo faziam para que a antiga província portuguesa continuasse a ser parte integrante daquele imenso país, então dirigido por uma feroz ditadura. Interessa que comecei ontem a dar formação a um novo curso de jovens timorenses, na faixa etária dos 25 aos 35 anos. Para terminar, interessa também que no fim da aula de hoje, antes de sairmos, procurei este vídeo e depois de uma breve introdução à forma como os portugueses viveram o drama do povo timorense, passei-o. Foi bonito vê-los a cantar ou trautear uma canção que muitos conheciam, ainda que desconhecessem a solidariedade de então dos portugueses e ficaram felizes por saberem que existiu. Agradeceram o momento e comoveram-se até às lágrimas. Eu, depois de tanta emoção à volta desta canção durante tanto tempo, não sabia que passados todos estes anos, ainda me poderia emocionar ao ver a forma como foi entoada naquela noite pelos cerca de 20 mil portugueses, que eram uma boa representação dos sentimentos de solidariedade dos 10 milhões de portugueses. Eu estava lá. Estes 5 minutos foram mágicos.