Neruda morreu há 38 anos

 Apesar de já estar doente, é minha convicção que Neruda viu precipitada a morte devido ao 11 de Setembro, o 1º. E digo-o porque ele soube do muito que se estava a passar com os seus companheiros e reflectiu-o de forma clara na última crónica - angustiante crónica - de Confesso que Vivi, escrita na semana que se seguiu ao golpe de Pinochet. Confesso que Vivi é um livro de luz, de felicidade, que dá conta do que foi a sua magnífica vida, os contactos que foi mantendo com as pessoas mais ilustres das letras e das artes do tempo que lhe coube viver. E sendo um livro cheio de luz, carregado de bom humor, com essa derradeira crónica, termina com as trevas, as trevas que o autor adivinhava e de que felizmente, digo eu, não teve que ser testemunha por muito tempo. Morreu triste, infeliz. Mas que viva Neruda. Viverá para sempre estou certo, porque ele é grande de mais para morrer.

Mensagens populares deste blogue

Na Vertigem da Traição IV