sábado, 22 de dezembro de 2012

O Chalet das Cotovias - um crime com 76 anos

O recorte é do jornal República do dia 18 de Março de 1936. A investigação criminal começara no final do ano de 1935 com o desaparecimento de um homem que suspeitava que a irmã frequentava um clube feminino de Sintra onde, a par de eventos culturais, servia para encontros lésbicos. Era o Chalet das Cotovias e frequentavam-no altas figuras da sociedade portuguesa de então - uma filha do Presidente Carmona, a escritora Fernanda de Castro, a directora do Museu Bordalo Pinheiro, entre outras. O lisboeta terá desaparecido quando foi a Sintra em busca da irmã. O seu cadáver, em avançado estado de decomposição, foi encontrado a 23 de Fevereiro num matagal contíguo à estrada de Sintra.
Se até aí a investigação pretendia localizar o desaparecido, desde então visou esclarecer as circunstâncias em que ocorreu o crime.
Ou é impressão minha ou a história reúne todos os condimentos para dar um bom romance.