Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2012

Morreu Marques Júnior

Imagem
Para terminar um ano mau, uma má notícia: morreu Marques Júnior. Ainda tenente, aderiu ao MFA e desde então, esteve sempre na linha da frente da conspiração, da revolução e da democratização do país. Pertenceu ao Conselho da Revolução desde o seu início, em Março de 1975, até à sua extinção, com a revisão constitucional de 1982. Fez carreira política como deputado à Assembleia da República, primeiro pelo PRD, mais tarde pelo PS. Sofreu um grave AVC no dia 29 e faleceu hoje. Não deixa de ser paradoxal que, no fim de um ano que fica para a história como sendo aquele em que o poder político fez desaparecer mais regalias das conquistadas na sequência de Abril, morra aquele a quem alguém alcunhou como o «espírito do 25 de abril.» Ficam a sua obra e sua memória.

Gaspar - a coerência acima de tudo

«O GRANDE GASPAR (Lembram-se?) !

Ano de 1993: com a economia portuguesa a ruir, um alucinado Braga de Macedo, então ministro das Finanças, foi à Assembleia da República gritar a plenos pulmões que o país era um “oásis”. Este "sketch" parlamentar resistiu à passagem do tempo. Quem não resistiu foi Braga de Macedo: após um breve compasso de espera, Cavaco calçou-lhe uns patins.

Quem era o homem que, em 1992, fez as previsões para Braga de Macedo ? Um tal Vítor Louçã Rabaça Gaspar, que chefiava o Gabinete de Estudos do Ministério das Finanças. Onde falhou ele nas previsões ? Falhou em tudo — na evolução da economia e na arrecadação das receitas fiscais. Veja-se:
• Gaspar previu um crescimento do PIB de 2% em 1993, mas a economia acabou por recuar 0,7%, ou seja, o pretenso “oásis” que Braga de Macedo anunciava acabou numa recessão;
• O Orçamento do Estado para 1993 previa um encaixe à volta de 3.340 milhões de contos (16.660 milhões de euros) com as receitas correntes, mas houve nec…

A «nêspera» do Mário Henrique Leiria e as «velhas» desta vida

RIFÃO QUOTIDIANO Uma nêspera
estava na cama
deitada
muito calada
a ver
o que acontecia chegou a Velha
e disse
olha uma nêspera
e zás comeu-a é o que acontece
às nêsperas
que ficam deitadas
caladas
a esperar
o que acontece Mário Henrique Leiria

Postal de Natal

Imagem
Um postal de Natal para todos os amigos com votos de felicidades e  uma noite plena de paz e harmonia junto dos que mais amam. 

O Chalet das Cotovias - um crime com 76 anos

Imagem
O recorte é do jornal República do dia 18 de Março de 1936. A investigação criminal começara no final do ano de 1935 com o desaparecimento de um homem que suspeitava que a irmã frequentava um clube feminino de Sintra onde, a par de eventos culturais, servia para encontros lésbicos. Era o Chalet das Cotovias e frequentavam-no altas figuras da sociedade portuguesa de então - uma filha do Presidente Carmona, a escritora Fernanda de Castro, a directora do Museu Bordalo Pinheiro, entre outras. O lisboeta terá desaparecido quando foi a Sintra em busca da irmã. O seu cadáver, em avançado estado de decomposição, foi encontrado a 23 de Fevereiro num matagal contíguo à estrada de Sintra. Se até aí a investigação pretendia localizar o desaparecido, desde então visou esclarecer as circunstâncias em que ocorreu o crime. Ou é impressão minha ou a história reúne todos os condimentos para dar um bom romance.

MENSAGENS NATAL MUEDA 1973 C CAÇ 4140

Imagem
Tão jovens que eram...

Cinema Paradiso - Yo-Yo Ma e Chris Botti

Imagem
Talvez este blogue bata o recorde mundial de posts sobre o filme  Cinema Paraíso, mas o autor (do blogue) desvaloriza.  Aqui está mais um e bem merece o destaque.  Belíssima peça. 

Poema para José Dias Coelho

Imagem
Poema para José Dias Coelho Assassinado pela PIDE em 19 de Dezembro de 1961

A José Dias Coelho

Seja minha a tua força, irmão
seja meu o teu braço, camarada
Sejam estes muros não um paredão
sejam uma ponte ou mesmo uma estrada.

Seja nela meu o teu anseio, irmão
seja minha a luta que na tua terra travas
seja ela o fruto das coisas que amavas.

Sejam essas coisas, as mesmas, irmão
sejam as que amo aqui nesta cela
seja para sempre a minha na tua mão
seja para todos uma vida bela
seja nela o trigo com a sua cor dourada
sejam as papoilas vermelhas de querer
seja sempre o dia que sucede à madrugada
seja outro o sentido da palavra morrer.

Sejam os mortos aqui ao nosso lado
sejam os seus também os nossos passos
seja em luta o ódio acumulado
sejam retesados nossos membros lassos.

Sejam as colinas de vontade erguidas
seja a sua força a que do amado vem
sejam nossas as tuas palavras queridas
seja minha a tua vontade também.

E não há muros, bombas ou insultos
que detenham as árvores ao nascer da terra
nem façam brotar flores…

Paulo Morais chama os bois pelos nomes

Imagem

Mataram o Câmara Clara

Imagem
Vivemos num tempo que se não é único, não anda longe. Já não vou para novo, além de que tenho a obrigação de conhecer um pouco de História, e a verdade é que não me lembro de nenhuma época assim. Havia, sempre houve, coisas más, mas não faltavam algumas menos más, ou mesmo boas, talvez para compensar. Hoje levam-nos tudo o que não é mau ou medíocre e injectam-nos com tudo o que o é. Tempo estranho este para ser vivido...  Apetece recuperar José Gomes Ferreira e dizer: «viver sempre também cansa» Viver sempre, ASSIM, cansa mais. Poder morrer para descansar um pouco e deixar passar este tempo e depois poder renascer num tempo novo é a idealização do momento.

Revolver em cima da Bíblia

Quantos terão de morrer, quantas vigílias terão de fazer... para que tirem a porra do revolver de cima da Bíblia.

12.12.12 ou o post idiota

Hoje é 12.12.12 e o Sol nasceu e pôs-se à hora prevista; gente nasceu e morreu; acordei, trabalhei, almoçei, jantei e daqui a uma hora ou duas vou deitar-me. Parece que hoje estamos pior que ontem e amanhã estaremos pior que hoje, mas isso tem apenas a ver com esta crise que nos desanima e esta malta que nos desgoverna. Tenho a certeza absoluta de que para quem resistir até lá, de hoje a um ano será 12.12.13 e daqui a dois anos 12.12.14...

Mês de Dezembro - Instituto Superior Egas Moniz

Na próxima 3ª Feira, dia 11, à noite, estarei no Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz, a fim de conversar com os alunos do Curso de Ciências Forenses sobre os livros, as leituras e o que de mais há-de surgir, surge sempre.

Apresentação do Nº4 da revista «Investigação Criminal»

Imagem
Aqui deixo o convite para a apresentação do nº4 da revista «Investigação Criminal», dedicado à história da investigação criminal e das técnicas e ciências que a apoiam.
Será na Universidade do Minho, no próximo dia 12.

O moralista do regime

A PJ passou busca ao escritório do moralista do regime. E daí não vem mal ao mundo, qualquer cidadão é inocente até prova em contrário. No entanto, o moralista diz que apesar da minucia dos inspectores, nada foi detectado digno de apreensão. Foi-lhe perguntado se estava tranquilo e o moralista respondeu que sim, que até dormiu melhor que nas noites anteriores. E a resposta fez-me especular: - Porque será que o moralista do regime dormiu melhor esta noite que as anteriores?  - Será que dorme sempre melhor depois de ser alvo de uma busca policial?   - Ou será que dormiu melhor porque a PJ não encontrou nada que o comprometesse?

Niemeyer - muito além da obra

Imagem
A propósito da morte de Niemeyer e da frase de Chico Buarque, que o definiu como um «Um homem maior que a sua arte», recordei-me de uma grande entrevista dada pelo arquitecto, penso que ao Público, já ele ia nos noventa e muitos. O jornalista perguntou-lhe como é que se via face à grandeza da sua obra, reconhecida em todo o mundo. Com uma simplicidade desarmante, Niemeyer respondeu por palavras que não recordo textualmente, mas cujo sentido jamais esquecerei: grande homem foi Allende, que morreu de arma na mão a defender o seu povo e os seus ideais, «eu só faço uns riscos». Morreu um grande homem.

Convencionais sempre, químicas nunca

Se pensarem matar alguém, pela vossa saúde, não usem armas químicas.
Convencionais tudo bem, matem à vontade, químicas nem pensar.


Judith Teixeira, a ignorada

Imagem
Na conceituada «História da Literatura Portuguesa», de A.J. Saraiva e Óscar Lopes, a bíblia, nem uma palavra sobre essa poetisa do Modernismo português; no «Dicionário de Literatura Portuguesa» de Álvaro Manuel Machado, obra de 1996, mais recente que a primeira, meia dúzia de linhas dão conta de que existiu, andou por aí, fez umas coisas.

A Minha Amante
Dizem que eu tenho amores contigo!
Deixa-os dizer!…
Eles sabem lá o que há de sublime
Nos meus sonhos de prazer…
De madrugada, logo ao despertar,
Há quem me tenha ouvido gritar
Pelo teu nome…
Dizem —e eu não protesto—
Que seja qual for
o meu aspecto
tu estás
na minha fisionomia
e no meu gesto!
Dizem que eu me embriago toda em cores
Para te esquecer…
E que de noite pelos corredores
Quando vou passando para te ir buscar,
Levo risos de louca, no olhar!
Não entendem dos meus amores contigo—
Não entendem deste luar de beijos…
—Há quem lhe chame a tara perversa,
Dum ser destrambelhado e sensual!
Chamam-te o génio do mal—
O meu castigo…
E eu em sombras alheio-me dispe…