Blade Runner - o filme


É uma paixão antiga que não esmorece. LA, 2019, o caos. Os humanos, os quase-humanos, os escravos, os répteis e os que se aproveitam. «Viver com medo é uma grande experiência, não é? É assim que vivem os escravos.» Dizia o humanoide que parecia ser o mau, para o que parecia ser o bom. No fim morrem todos. Nem todos da mesma forma, há muitas formas de morrer. O filme termina com a frase: «É uma pena ela ir morrer, mas quem sobreviverá?» Sempre que vejo Blade Runner encontro coisas novas. Uma obra-prima é mesmo assim. 

Mensagens populares deste blogue

Na Vertigem da Traição IV