sábado, 22 de abril de 2017

Benfica-Sporting, o desporto e a estupidez


Sporting e Benfica jogaram mais uma vez, desta feita em Alvalade. O jogo acabou empatado a um golo, permitindo que o Benfica continuasse em primeiro lugar, a quatro jornadas do fim. A derrota poria em perigo o lugar cimeiro na classificação e, dado faltar tão pouco para que o campeonato termine, a eventual conquista do tetra por parte do clube da águia, o primeiro da sua história. 
Mas nada disto pode ter qualquer interesse quando um adepto morre por questões de disputa entre claques. Na madrugada que antecedeu o jogo, por força da pressão que é exercida pelas direcções dos clubes e altamente fomentada pela comunicação social, um adepto de um clube foi atropelado mortalmente por, alegadamente, gente do outro clube. 
Nesta noite, a que se seguiu ao jogo, toda a gente fala dos 90 minutos em campo, dos jogadores, dos golos e principalmente do árbitro e dos seus eventuais erros. Não ouço ninguém a condenar não só a morte de um homem, mas principalmente as condições que a geraram. Tudo se poderá repetir e provavelmente ainda com mais gravidade.