Blue Jasmine de Woody Allen, Billie Holiday e «Blue Moon»

Estou na sala da minha casa a ouvir uma coletânea antiga de jazz e, de repente, surge Billie Holiday, a Lady Day, a cantar «Blue Moon» como só ela o podia fazer. Subitamente lembrei-me da tarde de ontem, na Sala 2 do Monumental, sessão das 16H30, quatro pessoas no «escurinho do cinema» (tão bom!) para verem o último do Woody Allen: Blue Jasmine. De há muitos anos sou um incondicional admirador do realizador e dos primeiros a concordar com quem disse que por muito mau que seja um seu filme, estará sempre dentro dos 5% do melhor que se faz na América. Este é um belo filme, talvez dos mais interessantes dos últimos anos deste grande representante da 7ª Arte. Aliás, sendo a obra de Allen inconfundível, pelas marcas pessoais que o artista lhe empresta, diria que este Blue Jasmine foge um tanto ao universo woodyalleano (acabei de inventar). Só a espaços, e de forma mais subtil, se notam as marcas da comédia que o caracteriza. É um drama, arrisco, o que vindo de quem vem é de registar. A principal personagem, Jasmine, precisamente, como de resto as restantes personagens como maior visibilidade, estão muito bem enquadradas, como seria de esperar, em termos psicológicos. Mas a Jasmine, interpretada por uma brilhante Cate Blanchett, está magnífica na mulher perturbada, que vive em conflito interno permanente, entre aquilo que foi e o que é, e o que fez e muito contribuiu para a sua tão precária situação. Pela brilhante interpretação da protagonista, muito me admiraria se na noite da atribuição dos Óscares, Cate Blanchett não estivesse integrada no grupo restrito de atrizes que ansiosamente aguardam ouvir o seu nome para subirem ao palco. Grande filme e por isso a não perder. 
Billie Holiday, «Blue Moon» e o último filme de Woody Allen?…, vejam que depois entendem. 

Mensagens populares deste blogue

Na Vertigem da Traição IV