Gonçalo Bulhosa regressa à Oficina do Livro

O editor Gonçalo Bulhosa, que foi responsável pelo lançamento de Margarida Rebelo Pinto e do primeiro romance de Miguel Sousa Tavares, regressa à editora que co-fundou, a Oficina do Livro. Começa a trabalhar no Grupo Leya segunda-feira onde substituirá o editor Marcelo Teixeira, que abandonou o grupo.
Gonçalo Bulhosa, que foi em 1999 um dos fundadores da editora Oficina do Livro, agora integrada no Grupo LeYa, assume a partir de segunda-feira funções como editor daquela chancela livreira, divulgou nesta quinta-feira a agência Lusa.
Fonte da administração da Leya confirmou à Lusa que o editor que, através da Oficina do Livro, “lançou vários autores e títulos que marcaram o panorama editorial nacional”, irá agora ocupar o cargo que até esta semana era ocupado por Marcelo Teixeira, que deixou o grupo. A Oficina do Livro é a editora de Miguel Sousa Tavares.
Gonçalo Bulhosa lançou o primeiro romance de Margarida Rebelo Pinto, o best-seller "Sei Lá", quando estava na editora Difel e também Junot Diaz, Prémio Pulitzer para a Ficção 2008, quando o autor ainda não era conhecido.
Fundou depois, em 1994, a Oficina do Livro, com António Lobato Faria, que tinha por slogan "É bom Trabalhar nas Obras". Foi aqui que lançou o segundo romance de Rebelo Pinto, "Não há Coincidências", e o primeiro romance de Miguel Sousa Tavares, "Equador". Acreditava que existia uma janela de oportunidade para editoras mais flexíveis do que as classificadas como grandes e que um dos segredos para o sucesso passaria por acompanhar as obras dos autores do início até ao fim.
Quando abandonou a Oficina do Livro, Gonçalo Bulhosa foi para a Asa, em 2004, onde fundou a chancela Palavra, que editava autores brasileiros contemporâneos: Zuenir Ventura, Rui Castro (e a monumental biografia sobre Carmen Miranda), ensaios de Octávio Frias Filho, "Cazuza - Só as Mães são felizes" de Lucinha Araújo e Regina Echeverria, "O Canto da Sereia" de Nelson Motta, entre outros. Mais tarde, autonomiza a chancela (compra-a à Asa em 2006) que acaba por fechar algum tempo depois.
Nos últimos anos tentou organizar a Festa Literária Internacional de Sintra (FLIS), inspirada na Festa Literária Internacional de Paraty, onde esteve pela primeira vez em 2004, a acompanhar Miguel Sousa Tavares. O evento foi adiado para 2012 não se sabendo ainda se se vai realizar.

Mensagens populares deste blogue

Na Vertigem da Traição IV